Mostrando postagens com marcador CPI da Petrobrás. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador CPI da Petrobrás. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 16 de junho de 2009

ANOMALIAS REPUBLICANAS

Os parlamentares, tanto da Câmara quanto do Senado, estão reclamando que Lulla interfere para impedir a instalação da CPI da Petrobrás. Está errado Lulla? Democrática e republicanamente, está! Agora, ele como bom oportunista e sem capacidade de entender o holismo histórico que deve ser levado em conta na formação da Nação, acerta. E não se importa com o erro, pois apenas detém a visão pontual do momento, e os seus interesses pessoais e os do seu partido, sem levar em conta o processo democrático. Além do mais, ele surfa no momento Chavista e Morallista, dominantes da América Latina, onde predomina o messianismo e, por ele, a pressão para a ruptura dos padrões republicanos e constitucionais, lá e aqui.


Meu comentário:

Há algumas décadas, poucas, quanto alguém perdia disputas, discussões, embates esportivos, dizia-se que "apanha mais que mulher de soldado". Isso, porque vivia-se uma época em que a sociedade não tinha olhos para essa violência doméstica, constante, virulenta e inaceitável e isso fazia parte do anedotário cruel da vida. À parte o dito jocoso e impróprio, tanto para ontem e muito mais para hoje, não podemos fugir da correlação inevitável com o que ocorre na relação entre os Poderes Judiciário e Executivo, perante o Legislativo. Este, tem sido a mulher de soldado de ontem, que apanhava, ficava quieta e a sociedade aceitava. Já aqueles, Judiciário e Executivo, são os que batem impunemente, porque o outro lado é fraco e a sociedade concorda com isso. Fraco por quê? Por sua própria culpa! Por sua desatenção, pelo seu desleixo, pela sua falta de ética, pela corrupção imperante no seu interior, pela sua mansidão bovina, enfim. Os mais antigos lembramos de outros Congressos, ou os mais lidos sabem das histórias de Casas e de Congressistas espetaculares no enfrentamento dialético e retórico das questões fundamentais da Política, esta sim com letra maiúscula. Agora, pergunto: é possível relevar o ambiente congressista de hoje? À exceção de alguns poucos nomes, em ambas as Casas, que ainda para vê-los é necessário que elevemos o olhar, a quase totalidade faz parte da massa de manobra do Governo. Quando não é isso, mostram-se como oposição, riscam o facão no solo, esbravejam e, depois.....acertam tudo e conformam-se com o entendimento de "afinal, todos fazem, eu também farei". Lembram? Não é essa a notação dominante, cujo padrão foi definido por LULLA, na época do mensalão? E todos foram felizes para sempre. Já o Judiciário, historicamente em papel circunspecto, tem tomado a necessária dianteira e interferido no Congresso, quando este não consegue resolver suas pendências internas. Provavelmente é o que deve ocorrer agora, quando a oposição já anunciou que pensa fazê-lo para garantir os seus direitos na CPI da Petrobrás. É louvável, pois assim é necessário. Mas, aí que está a questão! Necessário porque o conjunto do Senado está cabresteado e não tem capacidade, ou vontade, de reverter o desejo do Executivo. É urgente, pois, que a sociedade se alerte e tome atitude nas próximas eleições, votando e enviando para lá, e para os seus estados, mulheres e homens de caráter e de personalidade, bem preparados em idéias e sentimentos e, fundamentalmente, empatizados com o seu patrão, o povo.





ESCRITO PARA OS LEITORES DO FUTURO

Monumental, corajoso e preciso, o texto que indico abaixo. Os futuros prescrutadores da História Brasileira, especialmente sobre este perío...